Profissionais de Social Media - que unidade de medida para aferir o sucesso?

Depois de uma estimulante questão colocada no "Grupo de Profissionais de Social Media", deixo aqui cópia da minha reflexão.

Podem aderir ao grupo ou ver outros comentários, aqui »

A pergunta:
Qual é a vossa opinião sobre a transferência do modelo de ROI para um modelo de "monetizing" em Social Media, atribuíndo valores reais de dólar/euro/moeda aos diversos tipos de interacção?

Pessoalmente, não adopto. Sobretudo na nossa área onde muitos dos conteúdos que produzimos são de serviço público e nem sempre transponíveis numa regra de 3 simples em que mais gente ou mais interacções = mais dinheiro. Compreendo a simplicidade que muitos estão a tentar propor. Mas não acredito na praticabilidade dela. Nem sempre haver alto engagement ou contacto implica aumento das vendas. Ou seja: poderíamos ter um ROI numa campanha que indicasse, em valores dólar/euro/moeda, que correu e 'rendeu' excepcionalmente bem. Mas avaliando as vendas do produto em si, o mesmo poderia não se verificar. Daí, que sentido faz transpor esta unidade de medida para aqui? Só gera confusão. Seria o mesmo que em televisão deixarmos de ter rating e share para passar a transpor essas medidas para unidades de euro/dólar/moeda.

O que depreendo da proposta, é que há uma urgência em transpor (ou criar) rapidamente a relevância do meio para uma métrica que permita, como sucedeu na web, trazer rankings e tabelas simplificadas numa (ou no máximo 2) unidades de medida, para dinamizar o negócio em torno do Social Media. Mas até na web foi um processo (ainda está a sê-lo), em que passámos de hits, para pageviews, e agora visitas, mas já se falando em visitantes únicos e tempos de visita para um futuro próximo.

Acredito que o meio encontrará, a passo e passo, as suas unidades de medida adequadas e que melhor expressarão a sua natureza. E claro, que depois ajudarão para que sobre elas se decida o investimento a fazer para obter o retorno esperado no curto, médio ou longo prazo.

POSTED BY Ricardo Tomé
DISCUSSION 0 Comments