Presentes de Natal

A forma mais camuflada de chantagem e compra de favores que há são os presentes de Natal.

Toda a gente vê a polícia a apanhar bandidos que traficam droga, políticos facilmente subornáveis, dirigentes desportivos corruptos... mas já alguém viu a D.ª Luísa ser presa porque ofereceu a última fragrância da Dior à menina Carla do Banco!?, ou o Sr. Silva por dar umas garrafas de tinto alentejano ao tipo do café onde vai todos os dias tomar a bica e engolir um croquete da casa!?

Claro que não.

Mas a verdade é essa:
Todos os santos Natais somos inundados com presentes de quem precisa de nós, e todos os santos Natais inundamos de presentes quem mais precisamos.
Gastamos 40? numa garrafa de espumante e oferecemo-la com um sorriso; mas o que queremos dizer em surdina, realmente, é:
-ouça, Sr. Ferreira, nos próximos 365 dias do ano, não se esqueça de me dar aquele croquetezinho a mais e de me piscar o olho quando o arroz for de ontem!

E é claro, do lado de lá vem sempre aquele sorriso fraterno e honesto de quem é presenteado com tais ofertas e cintilantes sorrisos cristalinos, ocultando por sua vez um pensamento incontornável:
-Claro que não me esqueço! Nem de si nem dos 130 clientes que cá vêm encher-me de chouriços da terra e de farnéis com pães-de-ló com sabor a água! É isso e depois fechar as portas! Deixe mas é aí a Murganheira e continue a comer os croquetes do dia anterior a pensar que são frescos...

POSTED BY Ricardo Tomé
POSTED IN
DISCUSSION 0 Comments